Gravidez antes dos 18 anos

Gravidez antes dos 18 anos

Como lidar com a situação? O que devo ter em conta?

🙎‍♀️ Grávida antes dos 18 anos: será que sou demasiado jovem para ter uma criança? — Temos um teste para ti!

  • Ainda que tu não fiques como responsável legal até fazeres 18 anos (podendo ficar os teus pais, por exemplo), o mais provável é que fiques tu como principal cuidadora do teu filho.
  • Em função da tua situação individual, existem várias alternativas possíveis para poderes viver com o teu filho de modo a assegurares todos os cuidados necessários.

Grávida antes dos 18 anos: será que sou demasiado jovem para ter uma criança? — Teste para ti

Este é um assunto que a preocupa? Se desejar, pode introduzir aqui algumas informações sobre a sua situação pessoal. De seguida irá receber uma análise de acompanhamento diretamente no seu ecrã!

Grávida e menor de idade

Provavelmente não tinhas planeado ser mãe tão cedo. Nesta situação nova e fora do comum, é possível que te sintas inquieta e te perguntes como irás conseguir gerir esta nova realidade:

  • Enquanto menor, posso ficar com a custódia do meu filho?
  • Onde vou viver com o meu filho? Será que vou ter de sair da casa onde estou?
  • O que vai acontecer aos meus estudos?
  • Até que ponto os meus pais também serão responsáveis por esta criança?

Nos capítulos seguintes vamos procurar dar-te todas as informações que precisas de saber enquanto mãe menor de idade.

Quem fica responsável pela criança até eu fazer 18 anos?

Quando a mãe é menor de idade, a guarda pode ser atribuída ao pai (se este for maior), aos responsáveis legais da mãe ou outros familiares, ou a uma instituição de acolhimento temporário, no caso de a mãe se encontrar acolhida neste tipo de resposta.

Contudo, quando fizeres 18 anos, o mais provável é que a custódia te seja atribuída, sendo ou não partilhada com o pai da criança.

  • Se o pai da criança for maior de idade, ele poderá ficar com a custódia da criança. No entanto, o tribunal deverá sempre ter em conta o desejo expresso por ti e/ou pelos teus pais.
  • A custódia também poderá ser atribuída a outro adulto da tua família, por exemplo um dos teus pais ou uma irmã mais velha.

ℹ️ Contudo, uma das partes mais importantes da custódia, que consiste em ser a cuidadora principal da criança, permanece atribuída a ti, na tua qualidade de mãe (salvo raras exceções), logo desde o início. Isto significa que podes continuar a decidir todas as questões do dia a dia: o modo como a queres educar, onde é que ela passa tempo, e muito mais.

Outras curiosidades relevantes:

  • Ao ser atribuída a guarda desta criança a alguém, importa, para efeitos legais, a idade que tens no momento do nascimento, e não no momento em que ficaste grávida.
  • A partir dos 16 anos, embora ainda sejas menor, há uma série de direitos que adquires perante a lei: por exemplo, consentir ou recusar determinadas intervenções médicas, contrair matrimónio ou assinar um contrato de trabalho.

Viver com o meu filho: que opções tenho?

Ao considerar a vida no dia a dia, as responsabilidades com o teu filho estão, evidentemente, ligadas ao local onde vocês irão morar. Existem opções diferentes.

1. Viver com os teus pais

Algumas jovens mães preferem ficar a viver em casa dos pais com o seu filho. Se tu e os teus pais estiverem de acordo, esta pode ser uma alternativa viável.

2. Viver noutra casa, sozinha ou acompanhada

Se não for possível ficares em casa dos teus pais com o teu filho, por exemplo porque o apartamento não é grande o suficiente, também pode ser possível, por exemplo, viveres noutra casa com o teu filho, o pai dele e/ou outros familiares. Contudo, esta opção estará ligada a quem tem a tua custódia e a do teu filho. Se receias não conseguir gerir tudo a nível financeiro ao viver fora de casa dos teus pais, procura informar-te sobre os apoios a que poderás ter direito.

✅ Toda a informação: Ajuda financeira para grávidas

3. Acolhimento temporário

Em Portugal, existem algumas casas de acolhimento temporário para grávidas e mães. Se não encontras um familiar na casa de quem seja possível morar com o teu filho, esta pode ser uma opção válida até te conseguires autonomizar.

Quando existe uma medida de acolhimento em instituição, é essa instituição que fica legalmente responsável pelo teu filho, no entanto, continuas a ser tu a principal cuidadora.

✅ Fica a saber mais: Acolhimento para grávidas e mães

E a escola ou o curso?

Talvez já tenhas começado a pensar nas implicações desta gravidez para a tua vida no dia a dia: será que vai ser possível terminar a tua formação na data que estava prevista? Possivelmente, também tens pensado na melhor forma de explicar a tua situação na escola ou local de estágio.
Podes ler aqui informação e dicas úteis:

Depois do parto: apoio no dia a dia com um bebé

Um bebé representa normalmente novos desafios para a sua mãe. Talvez a tua família ou a do pai do teu filho te possam dar o apoio que precisas. Contudo, nem todas as jovens mães conseguem contar com esta ajuda: os seus pais podem não ter tempo disponível, por exemplo.

💪🏼 Informa-te sobre centros de apoio a mulheres grávidas perto de ti!

A quem posso confiar o meu filho?

Uma das principais questões que poderás ter é, possivelmente, quem poderá ficar com o teu filho quando regressares às aulas, dado que a tua educação continua a ser importante.

Para esta questão, existem várias respostas possíveis:

  • Se tiveres menos de 16 anos no momento do parto, os teus pais ou os avós paternos do teu filho podem ter direito ao subsídio por assistência a neto: isto permite-lhes ficar durante um mês a cuidar do teu filho e receber o salário normal (100% da remuneração de referência).
  • Se o pai do teu bebé já estiver a trabalhar, ele também poderá ter direito à licença parental para ficar com o filho.
  • Se tu e o teu filho estiverem acolhidos numa instituição, esta geralmente tem possibilidade de tomar conta dele durante as tuas aulas.
  • A partir dos 4 meses de idade também é possível colocar o teu bebé numa creche ou ama enquanto estás nas aulas. Se achas que esta é a opção mais indicada para ti, convém fazeres uma pré-inscrição com alguns meses de antecedência, de modo a assegurares uma vaga para o teu filho.

Preocupações financeiras: vamos viver do quê?

Enquanto menor, é provável que ainda estejas a estudar e, por isso, com poucos ou nenhuns rendimentos. Tal como para qualquer outra mãe, existem apoios financeiros a que tu, o teu responsável legal e/ou do teu filho poderão ter direito: abono pré-natal, abono de família, subsídio parental e outros.

Além destes apoios financeiros, também existem algumas associações que te podem ajudar, entre outras coisas, com o enxoval e bens para o teu filho: Ajuda a grávidas perto de ti

O que fazer agora?

É possível que a tua cabeça esteja a girar com toda a informação que referimos, fazendo com que sintas dificuldade em identificar o que é melhor para ti nesta situação.

Talvez sintas falta de alguém de confiança com quem possas conversar sobre tudo mais profundamente, por não teres a certeza sobre o modo como iriam reagir as pessoas à tua volta. Tens pensado como reagiriam os teus pais e sobre qual a melhor maneira de lhes contares que estás grávida?

A nossa experiência diz-nos que, regra geral, os pais acabam por reagir melhor do que o esperado. Talvez estas dicas te possam ajudar a preparar uma conversa com eles:

  • 👥 Encontra alguém para te apoiar: um adulto que conheça os teus pais ou que seja amigo deles; uma tia ou madrinha que te encoragem...
  • 🤔 Pensa sobre o que queres dizer, e de que modo. De modo a não perderes o fio à meada e dizeres o que é importante para ti, pode ajudar tomares algumas notas antes da conversa.
  • 💚 Atreve-te a dizeres o que sentes e o que desejas. Também podes admitir com sinceridade que a conversa não é fácil para ti, apesar de ser importante.
  • 🤝 Podes pedir apoio aos teus pais. Eles podem ajudar-te com a sua experiência de vida.
  • 👩‍🦰 / 👱‍♂️ Se for mais fácil para ti, fala primeiro com um deles, e depois com o outro.
  • 🕰 Dá tempo aos teus pais para absorverem a informação e refletirem sobre o melhor modo de gerirem a situação inesperada.

Nós temos todo o gosto em apoiar-te, analisar contigo a tua situação e ajudar-te a organizar as ideias e sentimentos, dando um passo de cada vez. Para tal, basta que entres diretamente em contacto connosco!

Ainda tens dúvidas quanto ao melhor caminho para ti?

Outros artigos interessantes:

Considera que a informação neste artigo foi útil?